VEREDA DO AREEIRO

Ainda que você não seja um grande fã de caminhadas, recomendo fortemente encarar a trilha que liga o Pico do Areeiro ao Pico Ruivo. O percurso exige algum condicionamento físico, é verdade, e as condições meteorológicas podem mudar em questão … Continuar lendo

PRESS TRIP 2015 – DIA 1 – MADEIRA

Estou de volta ao Brasil. Depois de uma semaninha de descanso, retomo hoje a rotina de posts aqui no blog, dando início a uma reconstituição da presstrip Madeira/Alentejo 2015. Para quem não sabe, acabo de concluir uma viagem de um mês por Portugal, com apoio do Turismo da Madeira e do Turismo do Alentejo. Foi a quarta etapa de documentação fotográfica do projeto Portugal – Patrimônios da Humanidade. As fotos reunidas aqui são da minha primeira jornada de trabalho, dedicada à cidade do Funchal – minha base durante toda a semana que passei na Ilha da Madeira.

A cidade do Funchal despertando: uma das primeiras fotos clicadas na presstrip

A cidade do Funchal despertando

Era dia 22 de setembro. Logo cedo, às 7 da manhã, eu já estava com câmera e tripé montados na beira de uma estrada a poucos quilômetros da região central da cidade. Queria fotografar o Funchal despertando. Naquele ponto, fiquei até as 9h, talvez 9h15, de onde segui para o centro histórico. Tinha um encontro marcado com o pessoal do Turismo da Madeira às 12h. Antes disso, era minha intenção visitar a Sé (catedral) e ainda dar uma passeada pelo centro. Foram apenas duas horas de incursão à chamada Zona Velha. Pouco tempo, mas suficiente para perceber que aquele pedaço da cidade era muito mais fascinante do que eu imaginava.

Sé do Funchal: muito mais impactante por dentro do que por fora

Sé do Funchal

Zona Velha da cidade: uma região bem mais fascinante do que eu imaginava

Zona Velha

Depois do almoço, tornei a caminhar a esmo pela Zona Velha e decidi encerrar o dia no mesmo lugar onde eu o havia iniciado – torcendo dessa vez, é lógico, por um entardecer que rendesse belas imagens. Valeu a pena, como você mesmo pode ver na foto abaixo.

Noite caindo sobre o Funchal: jornada de trabalho iniciada e concluída no mesmo lugar

Noite caindo sobre a cidade

Ao voltar para o hotel, um três estrelas confortável e extremamente bem localizado, estava exausto, acusando os golpes da diferença de fuso horário (quatro horas mais tarde em relação ao Brasil). Larguei o equipamento fotográfico no quarto e saí para jantar levando apenas o iPhone no bolso. Acabei indo parar no Gavião Novo, um dos melhores restaurantes da ilha. Comi maravilhosamente bem. E voltei para casa feliz. A viagem prometia. Mas o melhor era que ela estava só começando.

© Fotos: Eduardo Lima / Walkabout – Todos os direitos reservados

CANDIDATOS PORTUGUESES A PATRIMÔNIO MUNDIAL – Parte 2

Dando sequência ao post anterior, reúno aqui a segunda metade dos candidatos portugueses a patrimônio mundial.

Azulejos tradicionais portuguesesem uma estação de trem abandonada na Linha do Douro

Azulejos tradicionais portugueses em uma estação de trem abandonada na Linha do Douro

Azulejo português – O azulejaria portuguesa nasceu no século 16, quando entraram em Portugal os azulejos hispano-mouriscos produzidos na Andaluzia. A candidatura será preparada pela Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) em parceria com o Laboratório Nacional de Engenharia Civil e a Comissão Nacional da UNESCO/Ministério dos Negócios Estrangeiros.

Centro Histórico de Santarém – Candidatura antiga, foi lançada há quase 20 anos. Mas nunca avançou. Em 2013, uma nova proposta foi colocada em discussão: candidatar apenas a Igreja da Graça, onde se encontra o túmulo de Pedro Álvares Cabral, descobridor do Brasil.

Levadas da Madeira – São canais de irrigação típicos da Ilha da Madeira e de algumas outras ilhas da Macaronésia, como Cabo Verde e La Palma, nas Canárias. Se tudo correr como o planejado, vou fotografá-las no próximo mês de setembro, com apoio do Turismo da Madeira.

Ilhas Selvagens, Madeira – Elas constituem desde 1971 uma reserva natural, a primeira criada no país. Sua candidatura a patrimônio da humanidade começou a ser preparada em 2003, mas emperrou. Há quem considere que as Ilhas Selvagens não são significativas globalmente – inelegíveis, portanto, a patrimônio da humanidade. Mesmo assim, o projeto de candidatá-las provavelmente será retomado.

Palácio de Mafra – Na verdade, a ideia é candidatar não apenas o palácio, mas também o convento e a Tapada Nacional. A câmara municipal de Mafra lidera uma comissão criada para fazer o projeto avançar, da qual fazem parte três ministérios (Cultura, Defesa e Agricultura), o Patriarcado e o Turismo de Lisboa.

Valença do Minho – A candidatura da fortaleza da cidade a patrimônio mundial foi apresentada em 2011. A ponte rodoferroviária sobre o Minho, que liga Valença à cidade de Tui, na Galícia, também será integrada na candidatura.

A fortaleza de Valença e a ponte rodoferroviária sobre o Rio Minho

A fortaleza de Valença e a ponte rodoferroviária sobre o Rio Minho

Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina – Quem lidera a proposta de candidatura a patrimônio natural da humanidade é a câmara municipal de Odemira. O projeto envolve todos os municípios da área do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina.

Marvão – A candidatura da vila começou a ser preparada em 1996. Em fevereiro de 2000, a proposta foi admitida. Mas a Unesco entendeu, três anos mais tarde, que não havia condições para avançar com o processo.

Pinhal de Leiria – Também chamada Pinhal do Rei ou Mata Nacional de Leiria, é uma floresta mandada plantar pelo rei D. Afonso III no século 13. Há uma comissão constituída para dar andamento à candidatura – justificável, na opinião dos proponentes, pela relevância histórica e natural do lugar.

Fisgas de Ermelo, Vila Real – A proposta de candidatura está sendo desenvolvida pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro e pela câmara de Mondim de Basto. É possível que o projeto seja submetido à Comissão Nacional da Unesco, em Lisboa, até o fim do ano.

Castelo de Arnoia – A câmara de Celorico de Basto anunciou há poucos dias sua intenção de candidatar o castelo, já declarado monumento nacional, e a aldeia contígua.

© Fotos: Eduardo Lima / Walkabout – Todos os direitos reservados