QUINTA DAS LÁGRIMAS

Na Quinta das Lágrimas, onde Pedro e Inês secretamente se encontravam, existe hoje um hotel bem bacana, rodeado por jardins que se equiparam, em raridade e exotismo, aos mais completos jardins botânicos da Europa. Foi aqui que eu me hospedei quando estive em Coimbra, em setembro do ano passado.

Nonononon no nono n nono no n nono nononono nonono

O palácio: aqui, Pedro e Inês se encontravam secretamente

Nonononon no nono n nono no n nono nononono nonono

A piscina do hotel: rodeada por jardins exuberantes

Segundo a lenda, foi nesta quinta que a bela Inês de Castro chorou pela última vez, ao ser trespassada pelos punhais dos fidalgos que o rei Afonso IV, pai de Pedro, contratou para assassiná-la. Das lágrimas da donzela teria nascido uma fonte, cujas águas até hoje correm sobre pedras tingidas de vermelho pelo sangue de Inês.

Nonononon no nono n nono no n nono nononono nonono

A Fonte das Lágrimas: onde a bela Inês de Castro chorou pela última vez

O hotel oferece a seus hóspedes três ambientes distintos: os quartos do palácio, do jardim e do spa. Mais informações no website da Quinta das Lágrimas.

Nonononon no nono n nono no n nono nononono nonono

Um dos vários ambientes do palácio

Nonononon no nono n nono no n nono nononono nonono

Quarto do palácio

Nonononon no nono n nono no n nono nononono nonono

Quarto do jardim

© Fotos: Eduardo Lima / Walkabout – Todos os direitos reservados

BLUE HOUR EM COIMBRA

BLUE HOUR EM COIMBRA

Recomendo fortemente que, em sua próxima visita a Coimbra, você reserve pelo menos um fim de tarde/início da noite para observar a cidade desde o Parque Verde, na margem oposta do Mondego. E escrevo “pelo menos um” porque, se estivesse … Continuar lendo

PRESS TRIP 2014 – DIA 3

Impressionante como encontro gente simpática toda vez que venho a Portugal. Ontem, foram o José, da Quinta das Lágrimas, e também o seu Jorge, na beira do Rio Mondego. Hoje, mais três gratas surpresas. A começar pelo Pedro Ferrão, doutor em história da arte. Ele foi meu guia particular na visita ao fantástico Museu Nacional de Machado de Castro, um dos mais importantes do país. O acervo arqueológico e artístico do museu é tão incrível que a minha programação acabou saindo completamente do eixo. Eu deveria ter visitado também as duas Sés de Coimbra (a nova e a velha). Entrei no Machado de Castro às 10h e só fui sair de lá às 14h30. Precisei almoçar, é lógico. E aí ficou tarde demais para conhecer as igrejas. Uma lástima. Tentarei dar um jeito de visitá-las antes de seguir para a região do Côa.

Bem mais tarde, por volta das 19h, foi a vez de esbarrar com outras duas figuras simpaticíssimas. Primeiro, a jovem Sofia Almeida, que passeava com seus dois dogs alemães no Parque Verde. Depois, o fotógrafo Carlos Dias, que passou em disparada por mim justamente quando eu usava os cães de Sofia como “modelos” e parou para bater um papo comigo na volta. Gente fina demais, quis saber se eu tinha conseguido boas imagens e deu algumas dicas de bons pontos para clicar a cidade.

Passados esses dois primeiros dias por aqui, já deu para perceber que Coimbra é o patrimônio mundial português mais difícil de ser fotografado. E a razão é uma só: a assombrosa quantidade de carros estacionados em todo lugar. Confesso que ainda não consegui me entender com eles. Talvez eu consiga amanhã, dia inteiramente reservado à universidade.

IMG_0775.JPG

PRESS TRIP 2014 – DIA 2

Dia complicado, que começou debaixo de um pé d’água daqueles em Lisboa. Meu plano de fotografar pela manhã entre o Mosteiro dos Jerónimos e a Torre de Belém foi para o brejo. E só consegui sair da cidade por volta das 13h, depois de uma exaustiva sequência de filas no aeroporto até conseguir recuperar minha mochila.

Cheguei a Coimbra um tanto acabrunhado, com a sensação de dia perdido. Mas tudo mudou assim que coloquei os pés na Quinta das Lágrimas. Fui recebido com uma amabilidade ímpar pelo simpaticíssimo senhor José, que me levou para conhecer cada cantinho do hotel. A propriedade é enorme e tem uma história fascinante, que será contada aqui quando eu voltar para o Brasil.

Mais tarde, já às margens do Mondego, surgiu o segundo grande personagem do dia: seu Jorge, um senhor de 62 anos que pescava com o neto na beira do rio. Nascido e criado em Coimbra, é daquelas figuras que caem do céu de repente para enriquecer sua viagem. Levamos um longo papo sobre a cidade, sua história e sua gente. Qualquer hora dessas eu conto em detalhes esse episódio também.

C