ENTRE AS MAIS BONITAS DA EUROPA

Esta semana, foi notícia em todo canto uma seleção feita pela CNN que aponta Monsaraz, no Alentejo, como uma das vilas em colina mais bonitas da Europa. Estive lá em 2015 e posso assegurar que os editores de turismo do … Continuar lendo

BRASILEIROS EM PORTUGAL

Foi notícia recentemente no portal Portugal Digital: o número de turistas brasileiros por lá cresceu 55% no primeiro semestre deste ano, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística (INE). Com isso, o Brasil volta a registrar a maior taxa de crescimento … Continuar lendo

Cap 4 – BATALHA (CAPELA DO FUNDADOR E CAPELAS IMPERFEITAS)

Mais uma rodada de pré-edição das fotos do Mosteiro da Batalha, produzidas em duas viagens a Portugal: 2009 e 2014. Desse conjunto de 11 imagens, restarão apenas quatro, duas de cada ambiente. Quais você escolheria? Deixe um comentário com a … Continuar lendo

UMA PORTA PARA O CÉU

Mais algumas fotos das Capelas Imperfeitas – agora, por dentro. No post anterior, você leu que, em virtude das mortes do rei D. Duarte em 1437 e do arquiteto Huguet no ano seguinte, as obras do panteão foram abandonadas. O site oficial do Mosteiro da Batalha termina de contar essa história assim:

“No reinado de D. Manuel, com vista à conclusão do panteão foi alterado o projeto inicial, conferindo-lhe maior monumentalidade. É deste período o sumptuoso portal, totalmente esculpido, concebido e executado sob a direção de Mateus Fernandes, um dos grandes mestres manuelinos, tendo sido concluído nos primeiros anos do século 16. As sete capelas funerárias também foram concluídas na época de D. Manuel e têm nas suas abóbadas chaves esculpidas com escudos de armas e emblemas que identificam o seu destinatário.”

O portal das capelas: executado por Mateus Fernandes

O portal das capelas: executado por Mateus Fernandes

“Reinando já D. João III foi ainda levantada, sobre o portal, a varanda renascença, datada 1533, com estrutura e decoração de raiz italiana, atribuída a Miguel de Arruda que, seguramente, a concluiu. Panteão duartino, só nos anos quarenta do século 20 foi, por fim, aqui depositado na capela axial, o túmulo duplo do rei D. Duarte e da rainha D. Leonor, num reencontro talvez definitivo com a história.”

Sobre o pórtico, a varanda: atribuída a Miguel de Arruda

Sobre o pórtico, a varanda: atribuída a Miguel de Arruda

© Fotos: Eduardo Lima / Walkabout – Todos os direitos reservados

BIBLIOTECA JOANINA

Sabe o Barroco Brasileiro, de Olinda, Salvador e Ouro Preto? Dos mestres Ataíde e Aleijadinho? É tudo cria do Barroco Português, que tem na Biblioteca Joanina, em Coimbra, um dos seus ícones. Ela leva esse nome porque foi construída a mando do rei D. João V, o Magnânimo (1706-1750). Está entre as mais espetaculares bibliotecas da Europa.

“Construída de modo a exaltar o monarca e a riqueza do império, nomeadamente da provinda do Brasil, esta biblioteca é, para além de uma esplendorosa combinação de materiais exóticos, um verdadeiro cofre forte de livros”, diz a Universidade de Coimbra em seu site. “Concebida como um paralelepípedo disposto em altura para vencer a diferença de cota, encostado à cabeceira da Capela, abre para o pátio o piso principal correspondente às salas nobres, a que se acede por um portal monumental, como um arco de triunfo, ladeado de colunas jónicas e dominado por um magnífico escudo real.”

A biblioteca vista de fora, do Paço das Escolas: portal monumental, como um arco do triunfo

A biblioteca vista de fora, do Paço das Escolas: portal monumental, como um arco do triunfo

“No interior, aguarda o visitante uma sucessão de três salas comunicantes que, sabiamente, conduzem o olhar do visitante para o retrato do patrono, D. João V, da autoria do pintor saboiano Domenico Duprà.”

Retrato do patrono, D. João V: daí vem o nome Biblioteca Joanina

Retrato de D. João V: daí vem o nome Biblioteca Joanina

“O interior, realizado por Manuel da Silva ao longo de 40 meses, é integralmente revestido por estantes forradas a folha de ouro e decoradas com motivos chineses, que estabelecem uma interessante relação cromática com os fundos pintados a verde, vermelho e negro.”

A biblioteca foi onstruída de modo a exaltar o monarca e a riqueza do império: expoente do Barroco Português

A biblioteca foi construída de modo a exaltar a riqueza do império: expoente do Barroco

“Em contraste com o pavimento em pedra calcária cinzenta e branca ressaltam os coloridos tetos decorados com alegorias dedicadas ao triunfo da Universidade.”

Um dos tetos coloridos que adornam as três salas: decorados com alegorias dedicadas ao triunfo da universidade

Um dos tetos coloridos: decorados com alegorias dedicadas ao triunfo da universidade

© Fotos: Eduardo Lima / Walkabout – Todos os direitos reservados