Cap 4 – BATALHA (CAPELA DO FUNDADOR E CAPELAS IMPERFEITAS)

Mais uma rodada de pré-edição das fotos do Mosteiro da Batalha, produzidas em duas viagens a Portugal: 2009 e 2014. Desse conjunto de 11 imagens, restarão apenas quatro, duas de cada ambiente. Quais você escolheria? Deixe um comentário com a … Continuar lendo

UMA PORTA PARA O CÉU

Mais algumas fotos das Capelas Imperfeitas – agora, por dentro. No post anterior, você leu que, em virtude das mortes do rei D. Duarte em 1437 e do arquiteto Huguet no ano seguinte, as obras do panteão foram abandonadas. O site oficial do Mosteiro da Batalha termina de contar essa história assim:

“No reinado de D. Manuel, com vista à conclusão do panteão foi alterado o projeto inicial, conferindo-lhe maior monumentalidade. É deste período o sumptuoso portal, totalmente esculpido, concebido e executado sob a direção de Mateus Fernandes, um dos grandes mestres manuelinos, tendo sido concluído nos primeiros anos do século 16. As sete capelas funerárias também foram concluídas na época de D. Manuel e têm nas suas abóbadas chaves esculpidas com escudos de armas e emblemas que identificam o seu destinatário.”

O portal das capelas: executado por Mateus Fernandes

O portal das capelas: executado por Mateus Fernandes

“Reinando já D. João III foi ainda levantada, sobre o portal, a varanda renascença, datada 1533, com estrutura e decoração de raiz italiana, atribuída a Miguel de Arruda que, seguramente, a concluiu. Panteão duartino, só nos anos quarenta do século 20 foi, por fim, aqui depositado na capela axial, o túmulo duplo do rei D. Duarte e da rainha D. Leonor, num reencontro talvez definitivo com a história.”

Sobre o pórtico, a varanda: atribuída a Miguel de Arruda

Sobre o pórtico, a varanda: atribuída a Miguel de Arruda

© Fotos: Eduardo Lima / Walkabout – Todos os direitos reservados

BIBLIOTECA JOANINA

Sabe o Barroco Brasileiro, de Olinda, Salvador e Ouro Preto? Dos mestres Ataíde e Aleijadinho? É tudo cria do Barroco Português, que tem na Biblioteca Joanina, em Coimbra, um dos seus ícones. Ela leva esse nome porque foi construída a mando do rei D. João V, o Magnânimo (1706-1750). Está entre as mais espetaculares bibliotecas da Europa.

“Construída de modo a exaltar o monarca e a riqueza do império, nomeadamente da provinda do Brasil, esta biblioteca é, para além de uma esplendorosa combinação de materiais exóticos, um verdadeiro cofre forte de livros”, diz a Universidade de Coimbra em seu site. “Concebida como um paralelepípedo disposto em altura para vencer a diferença de cota, encostado à cabeceira da Capela, abre para o pátio o piso principal correspondente às salas nobres, a que se acede por um portal monumental, como um arco de triunfo, ladeado de colunas jónicas e dominado por um magnífico escudo real.”

A biblioteca vista de fora, do Paço das Escolas: portal monumental, como um arco do triunfo

A biblioteca vista de fora, do Paço das Escolas: portal monumental, como um arco do triunfo

“No interior, aguarda o visitante uma sucessão de três salas comunicantes que, sabiamente, conduzem o olhar do visitante para o retrato do patrono, D. João V, da autoria do pintor saboiano Domenico Duprà.”

Retrato do patrono, D. João V: daí vem o nome Biblioteca Joanina

Retrato de D. João V: daí vem o nome Biblioteca Joanina

“O interior, realizado por Manuel da Silva ao longo de 40 meses, é integralmente revestido por estantes forradas a folha de ouro e decoradas com motivos chineses, que estabelecem uma interessante relação cromática com os fundos pintados a verde, vermelho e negro.”

A biblioteca foi onstruída de modo a exaltar o monarca e a riqueza do império: expoente do Barroco Português

A biblioteca foi construída de modo a exaltar a riqueza do império: expoente do Barroco

“Em contraste com o pavimento em pedra calcária cinzenta e branca ressaltam os coloridos tetos decorados com alegorias dedicadas ao triunfo da Universidade.”

Um dos tetos coloridos que adornam as três salas: decorados com alegorias dedicadas ao triunfo da universidade

Um dos tetos coloridos: decorados com alegorias dedicadas ao triunfo da universidade

© Fotos: Eduardo Lima / Walkabout – Todos os direitos reservados