QUINTA NOVA

Volto ao Pinhão só para dar uma dica: bem mais legal que comprar vinhos e azeites na simpática lojinha da estação ferroviária é ir direto à fonte – a Quinta Nova de Nossa Senhora do Carmo, distante apenas 5 quilômetros da vila. A propriedade é linda. Proporciona belas vistas sobre o Rio Douro. E tem um restaurante muito bom. Quando estive lá, em outubro de 2012, combinei meu almoço com uma prova de vinhos. As harmonizações foram determinadas pelo chef. Tomei um branco (Grainha) com a entrada, dois tintos (Colheita e Reserva) com os pratos seguintes e um porto (Clã) com a sobremesa. Nos intervalos, chazinho de folha de videira para zerar minhas papilas gustativas. Recomendo.

Quinta Nova de Nossa Senhora do Carmo, a apenas 5 km da vila de Pinhão

Quinta Nova de Nossa Senhora do Carmo, distante apenas 5 km da vila de Pinhão

A propriedade tem 85 hectares de vinhedos que se estendem por 1,5 km na margem direita do Douro

São 85 hectares de vinhedos que se estendem por 1,5 km na margem direita do Douro

Boa parte dos legumes e das verduras servidos no restaurante são cultivados na própria quinta

As verduras e os legumes servidos no restaurante são cultivados na própria quinta

© Fotos: Eduardo Lima / Walkabout – Todos os direitos reservados

Anúncios

PRÓXIMA PARADA: PINHÃO

Essa é a estação ferroviária de Pinhão, em atividade desde 1880 – época em que o Brasil ainda era império. Ela tem 24 painéis de azulejos bem bonitos, que retratam diferentes fases da vindima (a colheita das uvas) no Douro. Pegar o trem aqui, ir até Tua ou Pocinho e voltar é uma delícia. Na estação, há uma pequena loja da Quinta Nova de Nossa Senhora do Carmo. Dá para comprar vinho do porto, vinho de mesa, azeite, chá de folhas de videira… Tudo de excelente qualidade.

A estação de Pinhão tem 24 painéis de azulelejos que retratam diferentes fases da vindima no Douro

A estação tem 24 painéis de azulejos que retratam diferentes fases da vindima no Douro

© Foto: Eduardo Lima / Walkabout – Todos os direitos reservados

5 QUINTAS QUE VOCÊ PRECISA CONHECER

Saio avisando logo de cara que isto é um ranking totalmente despretensioso. Longe de mim afirmar que essas são “as melhores” ou “as mais bonitas” quintas do Douro. Há dezenas de propriedades incríveis espalhadas pela região. As reunidas aqui são apenas as 5 mais legais entre as 8 que eu conheço. Não garanto, portanto, que sejam “as mais isso ou aquilo”. Mas afirmo sem medo nenhum de errar que todas elas vão valer cada segundo da sua visita.

QUINTA DO CRASTO – Fica na margem direita do Douro, entre a cidade de Peso da Régua e a vila de Pinhão. Pertence à família de Leonor e Jorge Roquette há mais de um século. Hoje, é uma quinta moderna, que usa tecnologias de ponta na vinificação. Mas continua recorrendo ao tradicional método da pisa das uvas na produção de certos vinhos. O tinto Reserva Vinhas Velhas é assíduo frequentador das listas de melhores do ano. Quanto aos vinhos do porto… Bem, digamos que você pode comprar qualquer LBV ou vintage de olhos fechados. São todos excelentes.

WINE & SOUL – É uma quinta bem pequena, de apenas 6 hectares, mas que produz vinhos de altíssima qualidade. São apenas 3 os seus rótulos, todos de produção limitada: Pintas Tinto, Pintas Porto Vintage e Guru (branco). A Wine & Soul pertence aos enólogos Sandra Tavares da Silva e Jorge Serôdio Borges, que nunca estiveram nem aí para produção em escala. O negócio deles é fazer “vinhos de autor”. A propriedade fica em Vale de Mendiz, entre Pinhão e Favaios.

VALE DONA MARIA – De 2001 para cá, essa quinta vem produzindo alguns dos melhores vinhos do Douro, incluindo tintos e portos. Cerca de um terço dos seus 40 hectares plantados é ocupado por parreiras com mais de 50 anos. Isso quer dizer que elas produzem menos, mas suas uvas são especialmente nobres. Sandra Tavares da Silva, responsável pelo Pintas na Wine & Soul, é a principal enóloga aqui também. Muita gente credita a ela o caráter elegante e refinado que hoje é marca registrada dos vinhos produzidos na Vale Dona Maria.

VARGELLAS – A visão que se tem lá do alto, ainda no portão de entrada, é sensacional. Sozinha, ela já valeria o passeio. Mas recomendo fortemente uma visita completa. Desça a estradinha que atravessa os vinhedos e vá até a linha férrea que margeia o rio, lá no fundo do vale. Sem pressa. No caminho, você vai passar pelas famosas vinhas velhas de Vargellas, algumas com mais de 100 anos. A quinta foi comprada pela Taylor´s no fim do século 19, quando já era famosa pela qualidade do vinho que produzia. De lá para cá, a coisa só melhorou. Ela fica relativamente perto de São João da Pesqueira, com acesso pela estrada que leva à barragem de Valeira.

ERVAMOIRA – É a mais remota das 5 propriedades listadas aqui. Fica perto de Vila Nova de Foz Côa, na região denominada Douro Superior. Foi adquirida pela casa Ramos Pinto em 1974. Passados 40 anos, tornou-se uma das quintas mais emblemáticas de Portugal. As parreiras que recobrem seus 150 hectares de área cultivada têm, em média, 30 anos de idade. Elas dão origem a vinhos do porto excelentes e tintos de qualidade bem acima da média, como o respeitado Duas Quintas. Vista do lado de lá do Rio Côa ao nascer do sol ou ao entardecer, é uma coisa de louco.

A propriedade da Taylor´s vista do alto, ainda no portão de entrada

Quinta de Vargellas vista do alto, no portão de entrada

© Foto: Eduardo Lima / Walkabout – Todos os direitos reservados