A LISTA

Sabe quais são os lugares de Portugal que podem virar patrimônio da humanidade em breve? A lista indicativa do país ao título concedido pela UNESCO foi definida há quase um ano, em maio de 2016, e é composta de 22 bens. … Continuar lendo

ADEGA CARTUXA

Esta é a lendária Adega Cartuxa, localizada na Quinta de Valbom, uma das quatro vinícolas da Fundação Eugénio de Almeida. Escrevo “lendária” sem o menor receio de estar exagerando. Afinal, é daqui que saem as garrafas de Pêra-Manca, um dos vinhos mais … Continuar lendo

UM DOS MONUMENTOS MAIS ESPETACULARES DE PORTUGAL

Aqui vai um pouco mais da história do Forte de Nossa Senhora da Graça, em Elvas, que integra o conjunto de fortificações declarado patrimônio mundial pela UNESCO em 2011. E mais uma série de fotos feitas por mim em outubro … Continuar lendo

COLÉGIO DO ESPÍRITO SANTO

Caros leitores, permitam-me apresentar-lhes a segunda instituição acadêmica mais antiga de Portugal: a Universidade de Évora, fundada em 1559 a partir do antigo Colégio do Espírito Santo, cujo edifício é precisamente esse que aparece na imagem. Fiz questão de visitá-la … Continuar lendo

VINHO DO PORTO E BRASIL COLÔNIA

Uma das propostas deste projeto – Portugal – Patrimônios da Humanidade – é registrar as conexões existentes entre os patrimônios mundiais portugueses e o Brasil. Um exemplo: sabia que o Brasil Colônia foi um dos maiores consumidores do vinho do porto produzido no Douro? Essa história começa em 1756, ano em que Portugal impôs aos colonos deste lado do Atlântico grandes cotas do produto. Em outras palavras, a colônia ficou obrigada a comprar todo o porto que sobrasse da exportação para os ingleses. Não por acaso, naquele mesmo ano foi fundada a Companhia Geral da Agricultura das Vinhas do Alto Douro, inclusive com escritórios em Recife, Salvador e no Rio de Janeiro.

Xxxx xxx x xxxxxxxxx

Os socalcos do Douro entre Peso da Régua e Pinhão: primeira região demarcada do mundo

No website Espólio Fotográfico Português, há um bom relato desse episódio. Reproduzo a seguir alguns parágrafos.

“As origens da região demarcada do Alto Douro remontam a 1756, ano em que o ministro de D. José I, Sebastião José de Carvalho e Melo (Marquês de Pombal) fundou a Companhia Geral da Agricultura das Vinhas do Alto Douro. Com efeito, em 10 de Setembro de 1756, no âmbito da política pombalina de fomento económico e reorganização comercial do país, de inspiração mercantilista, assente na formação de várias companhias monopolistas e privilegiadas, foi criada a Companhia Geral da Agricultura das Vinhas do Alto Douro, destinada a garantir e promover, de forma articulada, a produção e comercialização dos vinhos do Alto Douro, a travar a concorrência de outros vinhos portugueses de inferior qualidade, a limitar o predomínio e mesmo o controlo desta actividade económica pelos ingleses e, logicamente, a aumentar os rendimentos da Coroa provenientes do comércio dos vinhos do Alto Douro, que vieram a ser uma das maiores fontes de receita do Estado português.”

Uvas da Quinta de Vargellas (Taylor´s), em São João da Pesqueira

Quinta de Vargellas (Taylor´s), em São João da Pesqueira

“De acordo com os estatutos da companhia, deviam separar-se “inteira e absolutamente para o embarque da América e reinos estrangeiros os vinhos das costas do Alto Douro e do seu território de todos os outros vinhos, dos lugares que somente os produzem capazes de se beber na terra, para que desta sorte a inferioridade destes vinhos não arruíne a reputação que aqueles merecem pela sua bondade natural”. Daí a necessidade de se elaborar um mapa ou tombo geral das duas costas, setentrional e meridional do rio Douro, no qual se demarcou “todo aquele território que produz os verdadeiros vinhos de carregação, que são capazes de sair pela barra do mesmo rio.”

X xxxx x xxxx xx xxxxxxxx

Mapa da região demarcada do Douro desenhado pelo Barão de Forrester no século 19

“Por aviso de 28 de Julho de 1757, Carvalho e Melo manda demarcar “as duas costas do rio Douro e os respectivos terrenos que produzem diferentes qualidades de vinhos”, de forma a terminarem as “desordens” provocadas pela “confusão” existente entre vinhos bons e maus, encarregando o sargento-mor de infantaria Francisco Xavier do Rego de levantar as “costas” do rio Douro e nomeando para dirigir tal operação o desembargador Inácio de Sousa Jácome Coutinho, procurador fiscal da companhia, e os dois deputados provadores da companhia, Manuel Rodrigues Braga e José Monteiro de Carvalho, e convidando ainda Diogo Archibold, de nação inglesa, para testemunhar a boa-fé com que se ia proceder na separação dos terrenos do vinho tinto para o comércio da Europa do Norte, dos terrenos de vinhos destinados ao Brasil e ao consumo interno.

Ainda nesse ano, porém, esta primeira demarcação foi anulada, uma vez que, como refere a carta régia de 20 de Setembro de 1758, a comissão demarcante tinha ultrapassado as instruções régias que deviam orientar aquele trabalho. Em Outubro de 1758 dá-se início à nova demarcação do Alto Douro (…). Em Novembro de 1758, a demarcação das duas costas do rio Douro, com a indicação dos terrenos que produziam diferentes qualidades de vinhos pagos a preços distintos, foi terminada.”

Colheita em Provesende, coração do Alto Douro Vinhateiro

Colheita em Provesende, coração do Alto Douro

“A região vinícola demarcada do Alto Douro conheceu sucessivos alargamentos no século 19, de tal modo que em 1907 chegou até à fronteira com a Espanha. No ano seguinte, porém, deu-se uma redução da área produtora do vinho do porto, de tal modo que, na sequência do decreto de 10 de Dezembro de 1921, podemos afirmar que a região demarcada do Alto Douro passou a corresponder, praticamente, àquela que ainda hoje permanece. Considerada por François Guichard a primeira demarcação no mundo de uma zona de denominação de origem controlada no sentido contemporâneo do termo, a demarcação pombalina, que nunca correspondeu a qualquer entidade administrativa, acabou por conceder à região do Alto Douro, como sublinhou Gaspar Martins Pereira, uma identidade própria que veio até aos nossos dias.”

© Fotos: Eduardo Lima / Walkabout – Todos os direitos reservados