UM LUGAR MÁGICO E SIMBÓLICO

Três fotos inéditas de Alcobaça, no Centro de Portugal, cujo mosteiro cisterciense é patrimônio mundial desde 1989.

Junto com as imagens, reproduzo um depoimento de Inês Silva, vereadora na Câmara Municipal de Alcobaça, concedido à Rede Lugares Património Mundial do Centro e transformado em vídeo (para assisti-lo, clique aqui).

“O Mosteiro de Alcobaça é o centro deste território. É um lugar mágico, um lugar com história, um patrimônio que desenvolve toda esta região do ponto de vista cultural, patrimonial, social e econômico.”

Mosteiro de Alcobaça

“Vejo este lugar como um lugar simbólico, um lugar em que se cruzam o patrimônio, o silêncio, a reflexão, a memória e a força do homem.”

Mosteiro de Alcobaça

“É um lugar português porque está associado à origem de Portugal, à nacionalidade portuguesa. E é do mundo porque representa a força do homem, sua essência, sua coragem, sua perseverança e sua criatividade.”

Alcobaça

© Fotos: Eduardo Lima / Walkabout

Anúncios

MISTO DE LENDA E HEROÍSMO

Castelo de Guimarães, patrimônio mundial desde 2001 e eleito, em 2007, uma das sete maravilhas de Portugal. No website Visit Portugal, a gente lê assim sobre o monumento:

O Castelo de Guimarães, situado no Monte Largo – “alpis latitus”, no latim de documentos da época – evoca o misto de lenda e heroísmo que envolve o início da história de Portugal. Mumadona, condessa galega, mandou construir neste local, cerca do ano 968, um castelo onde a população se pudesse refugiar dos constantes assaltos de hordas de vikings, vindos dos mares do norte da Europa, e dos muçulmanos que acorriam dos territórios que ocupavam a sul.

Castelo de Guimarães

Quando o Conde Henrique recebeu de seu sogro, Afonso VI de Leão, o governo da província portucalense, mandou construir outra edificação mais ampla e sólida, que constituiu o início do importante conjunto defensivo que vemos hoje, dominado pela torre de menagem. Embora o facto não esteja documentado, é provável que o edifício que se encontra encostado à parte interna da muralha norte tenha sido a morada do Conde D. Henrique e local do nascimento de seu filho Afonso Henriques, primeiro rei de Portugal.

Castelo de Guimarães

Ao castelo, liga-se a história militar da fundação do reino nos diversos combates em que Afonso Henriques defrontou, em 1127, seu primo Afonso VII, rei de Leão. Liga-se também à abnegação de seu aio, Egas Moniz, que se ofereceu para fiador da palavra do infante quando este, vendo que não conseguia vencer o cerco de Afonso VII, prometeu constituir-se seu vassalo, tendo renegado a promessa ao sair-se vencedor.

Castelo de Guimarães

Até finais do século 14, no castelo de Guimarães protagonizaram-se heróicos combates para a defesa da integridade do jovem reino de Portugal, abalado por questões dinásticas com Castela que tornavam vulnerável a sua independência. Com o nascimento das novas armas de artilharia, o castelo de Guimarães, como tantos outros, conheceu o início do fim das suas glórias. Abandonado à incúria do tempo e dos homens, veio a ser cuidadosamente restaurado na sua original grandiosidade e beleza na primeira metade do século 20.

Castelo de Guimarães

Fotos: © Eduardo Lima / Walkabout