MEMÓRIAS DE ARRAIOLOS

Três fotos inéditas de Arraiolos, vila alentejana da qual guardo as melhores recordações. E trechos de um texto sobre sua história extraído do website Memória Portuguesa.

Arraiolos

Cunha Rivara, historiador arraiolense, na sua obra Memórias da Vila de Arraiolos, depois de se referir à nobreza e antiguidade de Arraiolos, bem como a alguns aspectos históricos da sua origem, afirma: “(…) seja como for, tenho por certo que em princípios do século 13 já havia povoação no sítio de Arraiolos”. Certo é também que a abundância de vestígios relacionáveis com o final do Neolítico ou mesmo com o Calcolítico são um sinal de uma significativa ocupação humana a partir do 4º milénio a.C. e, provavelmente, “na proto-História, o grande local de habitat corresponderia já à actual elevação onde se localiza o Castelo de Arraiolos“.

É ainda Cunha Rivara que nos transmite as referências do padre António de Carvalho da Costa, na Corographia Portugueza (tomo 2º, página 525), e do padre Luís Cardoso, no Diccionario Geographico (tomo 1º, página 590), onde atribuem a fundação de Arraiolos a sabinos, tusculanos e albanos, ocupantes que foram da cidade de Évora antes de Sertório e deram o governo de Arraiolos ao capitão Rayeo, nome grego. Deste nome, parece ter então derivado o nome da nossa vila, já que o nome Rayeo se foi denominando Rayolis, Rayeopolis, Arrayolos e hoje Arraiolos.”

Arraiolos

“É em 1217, com a concessão do termo de Arraiolos pelo rei D. Afonso II ao Bispo de Évora, D. Soeiro, e ao cabido da Sé da mesma cidade, que se inicia um novo capítulo da nossa história. Em 1290, Arraiolos recebe o primeiro foral, de D. Dinis, e o mesmo monarca manda edificar o castelo em 1305, sendo que, no dia 26 de dezembro de 1305, o concelho representado por João Anes e Martim Fernandes outorgou com o rei o contrato para a sua feitura.

Arraiolos foi condado de D. Nuno Álvares Pereira – segundo conde de Arraiolos – a partir do ano de 1387. Antes de recolher ao Convento do Carmo, em Lisboa, o condestável do reino permaneceu aqui longos períodos da sua vida. Em 1511, recebe foral novo de D. Manuel.”

Arraiolos

Fotos: © Eduardo Lima / Walkabout

Anúncios
CIDADE-QUARTEL FRONTEIRIÇA

CIDADE-QUARTEL FRONTEIRIÇA

Elvas, patrimônio mundial desde 2012. Estive lá duas vezes. E espero voltar outras tantas. No website da Comissão Nacional da UNESCO, ligado ao Ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal, lê-se assim sobre a cidade: A cidade de Elvas, situada a … Continuar lendo

GÊNESE DA MONARQUIA

Cinco fotos do Mosteiro de Alcobaça, todas inéditas aqui no blog. E um texto sobre ele disponível na plataforma educacional da RTP. Portugal ainda não era um reino, D. Afonso Henriques ainda não era rei, mas o jovem príncipe queria as duas … Continuar lendo

PURO DOURO

Favaios, no Alto Douro Vinhateiro, em 10 fotos inéditas aqui no blog. Todas clicadas em 2012. No website Douro, lê-se assim sobre o lugar: “Favaios é uma aldeia pacata pulsante de História, no coração do Douro. Localizada na Serra de … Continuar lendo

MUSEU DE ALBERTO SAMPAIO

Não há visita completa a Guimarães, na região Norte de Portugal, sem uma passada, ainda que rápida, pelo Museu de Alberto Sampaio. Ele ocupa alguns edifícios anexos à Igreja de Nossa Senhora da Oliveira, uma das principais atrações da cidade, … Continuar lendo

A TROCA DA GUARDA

Você sabia que, todo santo dia, acontece uma troca de guarda no Mosteiro da Batalha? Os militares portugueses que dela participam estão ali não para proteger o mosteiro, mas para vigiar um memorial específico: o Túmulo do Soldado Desconhecido, que … Continuar lendo

Cap 4 – BATALHA (CAPELA DO FUNDADOR E CAPELAS IMPERFEITAS)

Mais uma rodada de pré-edição das fotos do Mosteiro da Batalha, produzidas em duas viagens a Portugal: 2009 e 2014. Desse conjunto de 11 imagens, restarão apenas quatro, duas de cada ambiente. Quais você escolheria? Deixe um comentário com a … Continuar lendo