DAS MAIS LINDAS DO MUNDO

O jornal britânico The Guardian pediu ao instagrammer themanwhohikedtheworld que fizesse uma lista das caminhadas mais curtas e bonitas do mundo. Ele fez. E a Vereda do Areeiro, na Ilha da Madeira, apareceu entre as cinco eleitas. As outras quatro … Continuar lendo

BELÉM HÁ QUASE UMA DÉCADA

Manhã de uma sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009. Era minha primeira visita a Portugal e eu estava diante de um dos grandes – talvez o maior – símbolo do país: a Torre de Belém, em Lisboa. Repare como há … Continuar lendo

BRASILEIROS EM PORTUGAL

Foi notícia recentemente no portal Portugal Digital: o número de turistas brasileiros por lá cresceu 55% no primeiro semestre deste ano, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística (INE). Com isso, o Brasil volta a registrar a maior taxa de crescimento … Continuar lendo

A LISTA

Sabe quais são os lugares de Portugal que podem virar patrimônio da humanidade em breve? A lista indicativa do país ao título concedido pela UNESCO foi definida há quase um ano, em maio de 2016, e é composta de 22 bens. … Continuar lendo

UMA CISTERNA À PROVA DE BOMBAS

Sua capacidade é de 2.300 metros cúbicos, ou 2,3 milhões de litros. Levando-se em conta que o consumo de água recomendado para adultos é de 2,5 litros diários, esse volume seria suficiente para matar a cede de 2.500 pessoas por … Continuar lendo

UM VÔO SOBRE A FORTALEZA

Neste vídeo curtinho, com menos de três minutos de duração, você vai sobrevoar o Forte de Santa Luzia, em Elvas, que faz parte do conjunto declarado patrimônio mundial há quatro anos. Sua grandiosidade é tamanha que só mesmo assim, do alto, é possível ter a devida noção da sua geometria arquitetônica e das suas dimensões. No texto que acompanha o vídeo no Youtube, seu autor, Nuno Castro, escreve o seguinte:

“Nos arredores da fronteiriça cidade alentejana de Elvas desenvolveu-se uma série de fortificações dos séculos 17-18, perímetro defensivo monumental que provou sua eficácia nas guerras da Restauração. Com efeito, ao longo do desgastante cerco das Linhas de Elvas, confrontação que decorreu entre os exércitos português e espanhol entre 22 de outubro de 1658 e 14 de janeiro de 1659, o enorme exército invasor, comandado por D. Luis de Haro, levantou cerco e retirou-se sem honra nem glória. Alguns dos seus fortins foram construções efémeras, mas outros fortes houve que foram concebidos para permanecer e tolher o passo ao caminho dos exércitos invasores do território português. Neste último caso, situam-se o notável Forte de Nossa Senhora da Graça (obra setecentista), o da Coroada e o Forte de Santa Luzia. Este último ergue-se numa elevação, em redor de Capela de Santa Luzia, revelando-se uma obra de arquitetura militar seiscentista que alia à eficácia defensiva uma indesmentível qualidade estética.”

QUEM NÃO CONHECE UM ALMEIDA?

Taí um sobrenome comum, não é verdade? Quase tão popular quanto Pereira ou Oliveira. Só eu conheço uns 3 ou 4 Almeidas, talvez mais. Sem contar os de domínio público, tipo Aracy de Almeida. Pois foi aqui, nesta vila do centro de Portugal, que o sobrenome nasceu. A história começa em 1190, com Dom Payo Guterres Amado derrotando os mouros e tomando o castelo que eles chamavam de Al-Mêda. Sob domínio português, virou Castelo de Almeida, é lógico. O fidalgo tornou-se senhor da fortaleza, por vontade do rei, e ainda levou de brinde o apelido de Almeidão. Mais tarde, seus herdeiros adotariam Almeida como nome de família. E foi assim, há mais ou menos 800 anos, que surgiu um dos sobrenomes mais corriqueiros nos países de língua portuguesa – especialmente Portugal e Brasil.

XXX XXX

A vila de Almeida, no Distrito da Guarda: pouco mais de 7 mil habitantes

XXXX XXXX

Casario histórico: de Castelo Rodrigo ou Foz Côa, chega-se à vila pela estrada EN 332

O site Aldeias Históricas resume assim a história da vila: “Almeida terá tido origem na migração dos habitantes de um castro lusitano, localizado a norte do lugar do Enxido da Sarça, ocupado em 61 a.C. pelos romanos, e depois pelos povos bárbaros. Dada sua situação em planalto, os árabes chamaram-na Al-Mêda (A Mesa), Talmeyda ou Almeydan, tendo construído um pequeno castelo (séc. 8-9).”

XXXX XXXX

Céu anunciando tempestade: aqui, tomei uma das maiores chuvas da minha vida

XXXX XXXX

Cena das mais comuns em Almeida: para quem gosta de gatos, a vila é um prato cheio

“No período da Reconquista, os cristãos tomaram-na definitivamente em 1190 e foi sucessivamente disputada a Leão, passando à posse portuguesa com o Tratado de Alcanizes, em 1297. Recebeu foral de D. Dinis (1296), que reconstruiu o castelo, e foral novo de D. Manuel (1510). Junto ao castelo de planta rectangular e quatro torres circulares, cresceu o núcleo medieval limitado pelas muralhas, cujo vestígio se vê na Porta do Sol, traçado que a Rua dos Combatentes acompanha e que define o velho burgo.”

XXXX XXXX

A vila retratada no Livro das Fortalezas, de 1510: castelo de planta retangular…

XXXX XXXX

…e quatro torres circulares em torno do qual cresceu o núcleo urbano

“Durante a Guerra dos Sete Anos (1756-1763), Almeida voltou à posse de Espanha, tendo retornado ao domínio português em 1763. Nas lutas liberais, tomou partido por D. Miguel entre 1829 e 1832, acabando por capitular após duras lutas fratricidas, que destruíram as muralhas – reconstruídas a partir de 1853. Em 1927, saiu de Almeida o último Esquadrão de Cavalaria, perdendo, desde então, a actividade militar que, durante séculos, foi a razão essencial da sua existência.”

As muralhas: monumento nacional desde 1928, elas formam...

Muralhas: monumento nacional desde 1928, elas formam…

...uma das mais espetaculares defesas abaluartadas da Europa

…uma das mais espetaculares defesas da Europa

© Fotos: Eduardo Lima / Walkabout – Todos os direitos reservados

Reproduções: Wikimedia Commons

HISTÓRIAS DE FRONTEIRA

Castelo Rodrigo, uma das 12 aldeias históricas de Portugal. Fiz dela minha base, em setembro do ano passado, para as visitas ao Museu do Côa e às gravuras rupestres de Penascosa e da Ribeira de Piscos. O lugar é descrito assim no site Visit Portugal:

“Do topo de uma colina, a pequena aldeia de Castelo Rodrigo domina o planalto que se estende para Espanha, a leste, até ao vale profundo do Douro, a norte. Segundo a tradição, fundou-a Afonso IX de Leão, para doá-la ao conde Rodrigo Gonzalez de Girón, que a repovoou e lhe deu o nome. Com o Tratado de Alcanices, assinado em 1297 por D. Dinis de Portugal, rei e poeta, passou para a coroa portuguesa.

Castelo Rodrigo conserva as marcas de alguns episódios de disputa territorial. O primeiro deu-se menos de 100 anos após sua integração a Portugal, durante a crise dinástica de 1383-1385. D. Beatriz, única filha de D. Fernando de Portugal, estava casada com o rei de Castela. Por morte de seu pai, e com sua subida ao trono, Portugal perderia sua independência em favor de Castela. Castelo Rodrigo tomou partido por D. Beatriz, mas D. João, Mestre de Avis, veio a vencer os castelhanos na Batalha de Aljubarrota, em 1385 – e, por esse feito, foi coroado rei de Portugal com o nome de D. João I.

Como represália pelos senhores de Castelo Rodrigo terem tomado o partido por Castela, o novo rei ordenou que o escudo e as armas de Portugal fossem representados em posição invertida no seu brasão de armas. Mais tarde, no século 16, quando Filipe II de Espanha anexou a Coroa Portuguesa, o governador Cristóvão de Moura tornou-se defensor da causa de Castela, vindo a sofrer a vingança da população que lhe incendiou o enorme palácio em 10 de dezembro de 1640, logo que lá chegou notícia da Restauração (ocorrida a 1º de dezembro), ficando desta história antiga as ruínas no alto do monte, junto ao castelo.

Lugar de passagem dos peregrinos que se dirigiam a Santiago de Compostela, contam as lendas que o próprio São Francisco de Assis aqui teria pernoitado na sua peregrinação ao túmulo do santo. Revolvida à sua quietude, Castelo Rodrigo merece uma visita pelas suas glórias passadas, pela beleza e limpidez do lugar, pelo seu casario intramuros, pelo seu pelourinho manuelino e ainda pela comovente imagem de Santiago Matamouros guardada na Igreja do Reclamador.”

Aldeias Históricas

Castelo Rodrigo: no topo de uma colina com 820 m de elevação

© Foto: Eduardo Lima / Walkabout – Todos os direitos reservados

CASTELO RODRIGO

CASTELO RODRIGO

Foi esse lugarzinho incrível – uma aldeia histórica a 15 quilômetros da fronteira com a Espanha – que eu usei como base para explorar a região do Vale do Côa e suas gravuras rupestres. A história de Castelo Rodrigo é fascinante. Vai … Continuar lendo