BRASILEIROS EM PORTUGAL

Foi notícia recentemente no portal Portugal Digital: o número de turistas brasileiros por lá cresceu 55% no primeiro semestre deste ano, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística (INE). Com isso, o Brasil volta a registrar a maior taxa de crescimento … Continuar lendo

A LISTA

Sabe quais são os lugares de Portugal que podem virar patrimônio da humanidade em breve? A lista indicativa do país ao título concedido pela UNESCO foi definida há quase um ano, em maio de 2016, e é composta de 22 bens. … Continuar lendo

UMA CISTERNA À PROVA DE BOMBAS

Sua capacidade é de 2.300 metros cúbicos, ou 2,3 milhões de litros. Levando-se em conta que o consumo de água recomendado para adultos é de 2,5 litros diários, esse volume seria suficiente para matar a cede de 2.500 pessoas por … Continuar lendo

UM VÔO SOBRE A FORTALEZA

Neste vídeo curtinho, com menos de três minutos de duração, você vai sobrevoar o Forte de Santa Luzia, em Elvas, que faz parte do conjunto declarado patrimônio mundial há quatro anos. Sua grandiosidade é tamanha que só mesmo assim, do alto, é possível ter a devida noção da sua geometria arquitetônica e das suas dimensões. No texto que acompanha o vídeo no Youtube, seu autor, Nuno Castro, escreve o seguinte:

“Nos arredores da fronteiriça cidade alentejana de Elvas desenvolveu-se uma série de fortificações dos séculos 17-18, perímetro defensivo monumental que provou sua eficácia nas guerras da Restauração. Com efeito, ao longo do desgastante cerco das Linhas de Elvas, confrontação que decorreu entre os exércitos português e espanhol entre 22 de outubro de 1658 e 14 de janeiro de 1659, o enorme exército invasor, comandado por D. Luis de Haro, levantou cerco e retirou-se sem honra nem glória. Alguns dos seus fortins foram construções efémeras, mas outros fortes houve que foram concebidos para permanecer e tolher o passo ao caminho dos exércitos invasores do território português. Neste último caso, situam-se o notável Forte de Nossa Senhora da Graça (obra setecentista), o da Coroada e o Forte de Santa Luzia. Este último ergue-se numa elevação, em redor de Capela de Santa Luzia, revelando-se uma obra de arquitetura militar seiscentista que alia à eficácia defensiva uma indesmentível qualidade estética.”

QUEM NÃO CONHECE UM ALMEIDA?

Taí um sobrenome comum, não é verdade? Quase tão popular quanto Pereira ou Oliveira. Só eu conheço uns 3 ou 4 Almeidas, talvez mais. Sem contar os de domínio público, tipo Aracy de Almeida. Pois foi aqui, nesta vila do centro de Portugal, que o sobrenome nasceu. A história começa em 1190, com Dom Payo Guterres Amado derrotando os mouros e tomando o castelo que eles chamavam de Al-Mêda. Sob domínio português, virou Castelo de Almeida, é lógico. O fidalgo tornou-se senhor da fortaleza, por vontade do rei, e ainda levou de brinde o apelido de Almeidão. Mais tarde, seus herdeiros adotariam Almeida como nome de família. E foi assim, há mais ou menos 800 anos, que surgiu um dos sobrenomes mais corriqueiros nos países de língua portuguesa – especialmente Portugal e Brasil.

XXX XXX

A vila de Almeida, no Distrito da Guarda: pouco mais de 7 mil habitantes

XXXX XXXX

Casario histórico: de Castelo Rodrigo ou Foz Côa, chega-se à vila pela estrada EN 332

O site Aldeias Históricas resume assim a história da vila: “Almeida terá tido origem na migração dos habitantes de um castro lusitano, localizado a norte do lugar do Enxido da Sarça, ocupado em 61 a.C. pelos romanos, e depois pelos povos bárbaros. Dada sua situação em planalto, os árabes chamaram-na Al-Mêda (A Mesa), Talmeyda ou Almeydan, tendo construído um pequeno castelo (séc. 8-9).”

XXXX XXXX

Céu anunciando tempestade: aqui, tomei uma das maiores chuvas da minha vida

XXXX XXXX

Cena das mais comuns em Almeida: para quem gosta de gatos, a vila é um prato cheio

“No período da Reconquista, os cristãos tomaram-na definitivamente em 1190 e foi sucessivamente disputada a Leão, passando à posse portuguesa com o Tratado de Alcanizes, em 1297. Recebeu foral de D. Dinis (1296), que reconstruiu o castelo, e foral novo de D. Manuel (1510). Junto ao castelo de planta rectangular e quatro torres circulares, cresceu o núcleo medieval limitado pelas muralhas, cujo vestígio se vê na Porta do Sol, traçado que a Rua dos Combatentes acompanha e que define o velho burgo.”

XXXX XXXX

A vila retratada no Livro das Fortalezas, de 1510: castelo de planta retangular…

XXXX XXXX

…e quatro torres circulares em torno do qual cresceu o núcleo urbano

“Durante a Guerra dos Sete Anos (1756-1763), Almeida voltou à posse de Espanha, tendo retornado ao domínio português em 1763. Nas lutas liberais, tomou partido por D. Miguel entre 1829 e 1832, acabando por capitular após duras lutas fratricidas, que destruíram as muralhas – reconstruídas a partir de 1853. Em 1927, saiu de Almeida o último Esquadrão de Cavalaria, perdendo, desde então, a actividade militar que, durante séculos, foi a razão essencial da sua existência.”

As muralhas: monumento nacional desde 1928, elas formam...

Muralhas: monumento nacional desde 1928, elas formam…

...uma das mais espetaculares defesas abaluartadas da Europa

…uma das mais espetaculares defesas da Europa

© Fotos: Eduardo Lima / Walkabout – Todos os direitos reservados

Reproduções: Wikimedia Commons

HISTÓRIAS DE FRONTEIRA

Castelo Rodrigo, uma das 12 aldeias históricas de Portugal. Fiz dela minha base, em setembro do ano passado, para as visitas ao Museu do Côa e às gravuras rupestres de Penascosa e da Ribeira de Piscos. O lugar é descrito assim no site Visit Portugal:

“Do topo de uma colina, a pequena aldeia de Castelo Rodrigo domina o planalto que se estende para Espanha, a leste, até ao vale profundo do Douro, a norte. Segundo a tradição, fundou-a Afonso IX de Leão, para doá-la ao conde Rodrigo Gonzalez de Girón, que a repovoou e lhe deu o nome. Com o Tratado de Alcanices, assinado em 1297 por D. Dinis de Portugal, rei e poeta, passou para a coroa portuguesa.

Castelo Rodrigo conserva as marcas de alguns episódios de disputa territorial. O primeiro deu-se menos de 100 anos após sua integração a Portugal, durante a crise dinástica de 1383-1385. D. Beatriz, única filha de D. Fernando de Portugal, estava casada com o rei de Castela. Por morte de seu pai, e com sua subida ao trono, Portugal perderia sua independência em favor de Castela. Castelo Rodrigo tomou partido por D. Beatriz, mas D. João, Mestre de Avis, veio a vencer os castelhanos na Batalha de Aljubarrota, em 1385 – e, por esse feito, foi coroado rei de Portugal com o nome de D. João I.

Como represália pelos senhores de Castelo Rodrigo terem tomado o partido por Castela, o novo rei ordenou que o escudo e as armas de Portugal fossem representados em posição invertida no seu brasão de armas. Mais tarde, no século 16, quando Filipe II de Espanha anexou a Coroa Portuguesa, o governador Cristóvão de Moura tornou-se defensor da causa de Castela, vindo a sofrer a vingança da população que lhe incendiou o enorme palácio em 10 de dezembro de 1640, logo que lá chegou notícia da Restauração (ocorrida a 1º de dezembro), ficando desta história antiga as ruínas no alto do monte, junto ao castelo.

Lugar de passagem dos peregrinos que se dirigiam a Santiago de Compostela, contam as lendas que o próprio São Francisco de Assis aqui teria pernoitado na sua peregrinação ao túmulo do santo. Revolvida à sua quietude, Castelo Rodrigo merece uma visita pelas suas glórias passadas, pela beleza e limpidez do lugar, pelo seu casario intramuros, pelo seu pelourinho manuelino e ainda pela comovente imagem de Santiago Matamouros guardada na Igreja do Reclamador.”

Aldeias Históricas

Castelo Rodrigo: no topo de uma colina com 820 m de elevação

© Foto: Eduardo Lima / Walkabout – Todos os direitos reservados

CASTELO RODRIGO

CASTELO RODRIGO

Foi esse lugarzinho incrível – uma aldeia histórica a 15 quilômetros da fronteira com a Espanha – que eu usei como base para explorar a região do Vale do Côa e suas gravuras rupestres. A história de Castelo Rodrigo é fascinante. Vai … Continuar lendo

A MURALHA DE ELVAS

A MURALHA DE ELVAS

Terça-feira, 16 de outubro de 2012. Fiz essa foto precisamente às 19h10, logo depois de sair do centro histórico de Elvas pela Porta de Olivença. Bela muralha, não? Foi erguida no século 17, sob a batuta do engenheiro militar e … Continuar lendo