MEMÓRIAS DE ARRAIOLOS

Três fotos inéditas de Arraiolos, vila alentejana da qual guardo as melhores recordações. E trechos de um texto sobre sua história extraído do website Memória Portuguesa.

Arraiolos

Cunha Rivara, historiador arraiolense, na sua obra Memórias da Vila de Arraiolos, depois de se referir à nobreza e antiguidade de Arraiolos, bem como a alguns aspectos históricos da sua origem, afirma: “(…) seja como for, tenho por certo que em princípios do século 13 já havia povoação no sítio de Arraiolos”. Certo é também que a abundância de vestígios relacionáveis com o final do Neolítico ou mesmo com o Calcolítico são um sinal de uma significativa ocupação humana a partir do 4º milénio a.C. e, provavelmente, “na proto-História, o grande local de habitat corresponderia já à actual elevação onde se localiza o Castelo de Arraiolos“.

É ainda Cunha Rivara que nos transmite as referências do padre António de Carvalho da Costa, na Corographia Portugueza (tomo 2º, página 525), e do padre Luís Cardoso, no Diccionario Geographico (tomo 1º, página 590), onde atribuem a fundação de Arraiolos a sabinos, tusculanos e albanos, ocupantes que foram da cidade de Évora antes de Sertório e deram o governo de Arraiolos ao capitão Rayeo, nome grego. Deste nome, parece ter então derivado o nome da nossa vila, já que o nome Rayeo se foi denominando Rayolis, Rayeopolis, Arrayolos e hoje Arraiolos.”

Arraiolos

“É em 1217, com a concessão do termo de Arraiolos pelo rei D. Afonso II ao Bispo de Évora, D. Soeiro, e ao cabido da Sé da mesma cidade, que se inicia um novo capítulo da nossa história. Em 1290, Arraiolos recebe o primeiro foral, de D. Dinis, e o mesmo monarca manda edificar o castelo em 1305, sendo que, no dia 26 de dezembro de 1305, o concelho representado por João Anes e Martim Fernandes outorgou com o rei o contrato para a sua feitura.

Arraiolos foi condado de D. Nuno Álvares Pereira – segundo conde de Arraiolos – a partir do ano de 1387. Antes de recolher ao Convento do Carmo, em Lisboa, o condestável do reino permaneceu aqui longos períodos da sua vida. Em 1511, recebe foral novo de D. Manuel.”

Arraiolos

Fotos: © Eduardo Lima / Walkabout

Anúncios

MOSTEIRO DE ALCOBAÇA

Eis um dos mais importantes mosteiros cisternienses medievais da Europa, destino obrigatório para todo viajante que se esteja em visita ao Centro de Portugal. As fotos reunidas neste post são antigas, foram feitas em 2009, durante minha primeira visita ao … Continuar lendo

CASTELO DE ARRAIOLOS

Puxe pela memória e responda: quantos castelos redondos você conhece? Pois é, são raríssimos no mundo os casos de castelos construídos com planta circular. O de Arraiolos, no Alentejo, é um desses poucos exemplos. Estive lá em outubro do ano … Continuar lendo

VALE DE MENDIZ

VALE DE MENDIZ

Esse lugarzinho lindo, sobranceiro ao Rio Pinhão, é o povoado de Vale de Mendiz, no Alto Douro. As inquirições gerais de 1220, sob o reinado de D. Afonso II, referem-se a ela como Valem Menendo Dias, então um povoado sob posse administrativa … Continuar lendo

UMA JÓIA DO ROMÂNICO PORTUGUÊS

Esta galeria contém 7 imagens.

Mais algumas imagens da Sé Velha de Coimbra. No post anterior, escrevi que a catedral guarda em seu interior obras de arte e ornamentos religiosos de valor inestimável. Faltou dizer também que ela é uma preciosidade arquitetônica, tanto por dentro … Continuar lendo

RODEADA DE MURALHAS

Trancoso. Por aqui passaram romanos, bárbaros, árabes… Judeus, cristãos novos, templários… Hoje, seu maior orgulho talvez seja o castelo, autodenominado “um dos mais belos de Portugal”. O website da rede Aldeias Históricas conta assim a história:

“Sem dados concretos que permitam enunciar datas e formas de povoamento, parece ser de fácil aceitabilidade o facto de Trancoso ter sido, provavelmente, um lugar fortificado na época castreja, dadas as suas características geomorfológicas. Ocupada pelos povos romanos, a vila possui ainda inegáveis vestígios de estradas e pontes, tendo sido, a partir do século 4, invadida por povos bárbaros que contribuíram para o início da construção de uma estrutura urbana da fortificação e da zona habitada.

Trancoso constituiu, devido a sua posição estratégica, um dos pontos avançados da reconquista cristã para sul. Ocupada pelos árabes desde 983, foi reconquistada por Fernando, o Magno, em 1059, e por D. Afonso Henriques em 1160, que prometeu edificar o Mosteiro de São João de Tarouca como preito da vitória e lhe atribui foral. As sucessivas investidas dos mouros arruinaram-na, pelo que D. Sancho I a mandou repovoar, concedendo-lhe um foral que foi confirmado por D. Afonso II em 1217, e em 1391 por D. João I.” (…)

O castelo medieval de Trancoso: doado à Ordem do Tempo em 1185

O castelo medieval de Trancoso: doado pelo Condado Portucalense à Ordem do Templo em 1185

“Foi sobretudo após da definição das fronteiras entre Portugal e Castela que a praça-forte se tornou vital, propiciando estruturação e crescimento de aglomerado. D. Dinis mandou construir as muralhas com cerca de um quilômetro de perímetro, fundou a feira franca e concedeu privilégios especiais à povoação, que foi integrada no dote da rainha, tendo celebrado na vila de Trancoso seu casamento, em 1282, com a princesa D. Isabel de Aragão. (…)

A história de Trancoso anda profundamente ligada à de Portugal. Situada próximo da fronteira, a terra assistiu a diversas lutas e acontecimentos marcantes. Foi em Trancoso que se deu a célebre Batalha de São Marcos, na qual foram desbaratados os castelhanos e preparada a grande Batalha de Aljubarrota. O desfecho do combate contribuiu notavelmente para a consolidação da autoridade do Mestre de Aviz e subsequente triunfo da causa portuguesa nele personificada.” (…)

A ‘velhinha, nobre e sempre noiva’ vila de Trancoso encontra-se ainda hoje rodeada de muralhas da época dinisiana, com um belo castelo também medieval a coroar esse majestoso conjunto fortificado. Construído sobre um hipotético castro pré-romano, esse castelo pertencia, em 960, a D. Chamoa Rodrigues, tendo passado em 1097 para o Condado Portucalense.

Em 1185, o castelo é doado à Ordem do Templo, restaurado nos séculos 7 e 14 e acrescentado no século 16, sendo constituído por uma cerca de muralhas com cinco torres, onde se abrem quatro portas de aceso à vila que fechavam com sistema de guilhotina (Porta de El-Rei, do Prado, de São João e dos Carvalhos) e por uma torre de menagem que se situa na cidadela. (…) Este castelo constituía um dos vértices do triângulo principal do sistema defensivo da Beira, constituindo os outros dois pontos, os castelos de Celorico e da Guarda.”

O centro histórico da vila: testemunhas de muitos acontecimentos marcantes

O centro histórico da vila: testemunha de muitos acontecimentos marcantes

© Fotos: Eduardo Lima / Walkabout – Todos os direitos reservados