Cap 6 – CONVENTO DE CRISTO (CHAROLA E MURALHA)

Estas são 14 das 26 fotos do Convento de Cristo de que mais gosto, clicadas em duas visitas a Tomar, 2009 e 2014. Preciso reduzi-las a um conjunto de, no máximo, cinco imagens. Quais você escolheria? De novo, peço ajuda … Continuar lendo

A LISTA

Sabe quais são os lugares de Portugal que podem virar patrimônio da humanidade em breve? A lista indicativa do país ao título concedido pela UNESCO foi definida há quase um ano, em maio de 2016, e é composta de 22 bens. … Continuar lendo

UM PALÁCIO POSTO ABAIXO

Eis o palácio construído no topo de Castelo Rodrigo por Cristóvão de Moura – ou melhor, o que restou dele. Minha sugestão: visite-o de manhã bem cedo ou no fim da tarde. Dica óbvia, eu sei, ela vale para qualquer lugar. Acontece que as ruínas do palácio não são nada óbvias, e por um só motivo: sua localização. Elas ocupam o ponto mais alto da aldeia, acima dos 800 metros de elevação. De lá, o visual é incrível. Com as ruínas no primeiro plano, então, nem se fala.

As ruínas do palácio iluminada pela últimas luzes do dia: destruído numa revolta popular em 1640

As ruínas iluminadas pelas últimas luzes do dia: palácio destruído numa revolta popular em 1640

O site Aldeias Históricas de Portugal conta assim a história do palácio: “A dinastia filipina que subiu ao trono português em virtude da crise sucessória de 1580, desencadeada pela morte do Rei Sebastião na Batalha de Alcácer-Quibir, teria impacto directo no velho burgo de Castelo Rodrigo. Efectivamente, Cristóvão de Moura, filho de um antigo alcaide da vila e figura-chave de sua diplomacia durante a crise de sucesso de 1580, mandou construir em Castelo Rodrigo o seu palácio no preciso local onde se situava a alcáçova.”

O palácio foi mandado construir por Cristóvão de Moura: conselheiro predileto do rei da Espanha

Sob a luz da manhã: mandado construir pelo conselheiro predileto do rei da Espanha

O lugar teve relevância militar ainda nos séculos 18 e 19: hoje, só turismo

O lugar manteve alguma relevância militar até o século 19: hoje em dia, só turismo

“A importância deste homem na administração de Portugal durante o domínio filipino fica bem patente no facto de Filipe II de Espanha ter elevado a localidade a condado, tendo atribuído o título de conde ao seu conselheiro predilecto, D. Cristóvão de Moura (1640). Com a morte do soberano, seu sucessor, Filipe III de Espanha, elevou o condado a marquesado (1600), passando seu titular a ostentar o título de 1º Marquês de Castelo Rodrigo.

Com a Restauração da Independência, o paço foi arrasado pela população (que o via como uma marca do domínio espanhol, mesmo tendo o seu promotor falecido há quase três décadas), permanecendo em ruínas até a actualidade. Com relevância militar ainda nos séculos 18 e 19, o palácio sofreu obras de consolidação, mas só muito recentemente foi alvo de uma intervenção de ‘consolidação de ruína’, promovida pelo IPPAR [Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico] com o apoio das Aldeias Históricas de Portugal, constituindo hoje um espaço simbólico onde é possível promover eventos de índole cultural.”

As ruínas ocupam o ponto mais alto da colina de Castelo Rodrigo: mais de 800 metros de elevação

No ponto mais alto da colina de Castelo Rodrigo: acima dos 800 metros de elevação

Minha sugestão: visite as ruínas do palácio de manhã bem cedo ou no finzinho da tarde

Sugestão: visite as ruínas de manhã bem cedo (meu caso) ou no finzinho da tarde

© Fotos: Eduardo Lima / Walkabout – Todos os direitos reservados