MUSEU DE ALBERTO SAMPAIO

Não há visita completa a Guimarães, na região Norte de Portugal, sem uma passada, ainda que rápida, pelo Museu de Alberto Sampaio. Ele ocupa alguns edifícios anexos à Igreja de Nossa Senhora da Oliveira, uma das principais atrações da cidade, … Continuar lendo

ROTA DOS VINHOS DO ALENTEJO

Que tal experimentar alguns dos melhores vinhos portugueses enquanto desfruta de paisagens espetaculares? É exatamente isso o que a Rota dos Vinhos do Alentejo proporciona. Conheci parte do circuito em outubro do ano passado, enquanto zanzava entre Évora, Arraiolos, Monsaraz … Continuar lendo

ABADIA DE PEDRA BRANCA

O deambulatório do Mosteiro de Alcobaça, declarado patrimônio mundial pela Unesco em 1989. Há quem se refira ao monumento como “abadia de pedra branca”, uma alusão ao fato de ter sido usado na sua estrutura calcário proveniente da Serra dos Candeeiros. Para a Ordem de Cister, mantenedora do mosteiro até sua extinção, em 1834, o branco era símbolo de pureza e de renúncia aos valores materiais.

Deambulatório: calcário proveniente da Serra dos Candeeiros

Deambulatório: calcário proveniente da Serra dos Candeeiros

© Fotos: Eduardo Lima / Walkabout – Todos os direitos reservados

VESTÍGIOS DE UMA NECRÓPOLE

As fotos reunidas aqui são de duas peças provenientes da antiga necrópole de Aeminium, como era chamada a cidade de Coimbra na época do Império Romano. Nas duas primeiras imagens, o que se vê é uma árula – em outras palavras, um pequeno altar funerário. O Museu Nacional de Machado de Castro descreve assim o artefato:

“Procedente das destruições da zona do castelo, esta pequena ara foi consagrada aos deuses Manes, em memória de Vagelia Rufina Júnior, por seu avô, Álio Avito, e seu pai, Silvânio Silvano. A ausência de menção à idade da menina e a descoberta, no lugar da mesma necrópole, de um cipo funerário dedicado pelos dois homens à memória de Ália Vagelia Ávita, de 26 anos, mostra que a criança não sobreviveu por muito tempo ao desaparecimento da mãe ou que ambas morreram no parto.

Os nomes da jovem mãe e do seu pai remetem para famílias ricas da sociedade emineense com uma dupla origem indígena e romana. Vagellia é mesmo nome de uma gens da península itálica. Outras inscrições funerárias encontradas em Conimbriga provam que as mesmas famílias existiam nas duas cidades vizinhas. Aliás, a tipologia dos monumentos e o calcário de Ançã de que são feitos sugerem uma oficina comum.”

Altar funerário do Museu de Machado de Castro

Altar funerário do Museu de Machado de Castro

O mesmo altar um pouco mais de perto

O mesmo altar um pouco mais de perto

A terceira imagem mostra uma urna encontrada no mesmo sítio e dedicada a um romano de nome Aurélio Rufino. Demais, não é verdade? Tudo isso fica exposto na área que os especialistas chamam de criptopórtico, uma galeria de dois pisos que sustentava o fórum de Aeminium. Pois é: o museu tem como “alicerce” uma estrutura dos tempos da Roma Antiga. E não é uma estrutura qualquer. Trata-se do maior edifício romano preservado em Portugal.

post-10-10-14 (03)

Urna funerária dedicada a um romano de nome Aurélio Rufino

© Fotos: Eduardo Lima / Walkabout – Todos os direitos reservados