Este foi provavelmente o tribunal da inquisição mais cruel de Portugal e Coimbra conta a sua história

As paredes da cidade dos estudantes guardam segredos que durante muito tempo foram varridos para debaixo do tapete. Num espaço que já foi tanto de intelectuais como de intolerantes, agora o passado ganha vida, numa exposição que obriga ao confronto com a realidade e que recupera a memória dos judeus que ali perderam a vida.

https://24.sapo.pt/vida/artigos/este-foi-provavelmente-o-tribunal-da-inquisicao-mais-cruel-de-portugal-e-coimbra-conta-a-sua-historia

Tomar, dicas úteis para visitar a Cidade Templária

Tomar é uma cidade riquíssima em património e tradições, outrora, antiga sede da ordem dos Templários. Atravessada pelo Rio Nabão e com o Convento de Cristo no alto do seu esplendor, esta cidade é um encanto para quem a visita. Além disso, dada a sua excelente localização e oferta hoteleira, é um bom ponto de partida para conheceres mais algumas cidades vizinhas como, por exemplo, Batalha ou Ferreira do Zêzere.
Dedicamos um dia a explorar Tomar, maioritariamente a pé, com a exceção do Convento de Cristo e do Aqueduto dos Pegões. Neste artigo iremos dar-te todas as dicas necessárias para que a tua experiência em Tomar seja extremamente positiva e para que te apaixones pela cidade, tal como nós!

Thierry Aubry: “Ainda há muitas coisas por descobrir no Côa”

O arqueólogo, que há mais de duas décadas se dedica a decifrar a arte do Côa, dá-nos algumas pistas sobre o futuro, que passa pela aposta na qualidade e satisfação do público que visita o Parque Arqueológico do Vale do Côa, pela criação de sinergias e pela atração de jovens talentos.

https://jornaleconomico.sapo.pt/noticias/thierry-aubry-ainda-ha-muitas-coisas-por-descobrir-no-coa-783289

Alex fotografou o céu que dorme sobre a “mágica” ilha da Madeira

Quando o alemão Alexander Forst viajou até à ilha da Madeira, em meados de Julho deste ano, não esperava o que estaria prestes a encontrar. “Foi uma das viagens mais impressionantes que fiz até hoje”, disse ao P3, em entrevista. “Há muito para descobrir neste pequeno pedaço de terra. Adoro as falésias profundas e toda a variedade de paisagem que a ilha oferece.” Apaixonou-se, sobretudo, pelo Fanal e pelas suas “árvores estranhas”. “Esta ilha é mágica”, garante. As fotografias que tirou não o deixam mentir – nem relativamente à beleza que encontrou, nem à paixão que suscitaram e que está bem patente nas imagens. “No Pico do Areeiro senti-me extremamente feliz. Mas tudo o que via [na ilha] era incrível. Realizei quatro mil imagens numa semana e superei o meu recorde pessoal.”

https://www.publico.pt/2020/08/11/p3/fotogaleria/alex-fotografou-o-ceu-que-dorme-sobre-a-magica-ilha-da-madeira-402161

Guardians of the Forest of the Laurels – Our Unique Laurissilva

Do you know why the first discoverers in 1419 called Madeira, Madeira?

Well, Madeira is the portuguese word for wood and it was named that because the island was so densely wooded that they were even afraid to come on land the first few days as they stared at the lush green depths of the forest and imagined the dangerous creatures the foliage could be hiding. There are even written reports that they caught a glimpse of a two meter tall rabbit with long fangs hopping around in the shadows! A testimony to what months at sea combined with rum and a healthy imagination can do.

O “Lado B” dos Lugares Património Mundial do Centro de Portugal

A referência a um “Lado B” remete-nos sempre para o “não comercial”, para o “alternativo”, para a “diversidade”, a “espontaneidade”, o “lado oposto”. Há um “Lado B” em quase tudo e, por ser inesperado, desconhecido, inusitado, torna-se também inspirador, contextualizador, e também ele muito belo.

O Centro de Portugal, maior e mais diversa região turística nacional, é o centro de um país verdadeiramente excecional. Um Centro que tem não um, nem dois, nem tão pouco três, mas sim quatro fabulosos Lugares Património da Humanidade. Alcobaça, Batalha, Coimbra e Tomar surgem inevitavelmente ligadas pela proximidade, mas também pela centralidade que se quer ampliada por uma rede de monumentos, de memórias e de histórias. E de pessoas, claro. Essas, que mantêm vivas as tradições locais, que contam e recontam as estórias e as lendas que fazem do Mosteiro de Alcobaça, da Universidade de Coimbra, Alta e Sofia, do Mosteiro da Batalha e do Convento de Cristo em Tomar, destinos ainda mais mágicos. Poderá conhecê-los a todos, com mais detalhe, no website Património Mundial do Centro.

https://turismodocentro.pt/artigo/o-lado-b-dos-lugares-patrimonio-mundial-do-centro-de-portugal/