CENTRO HISTÓRICO DE TOMAR

Faz mais ou menos dois meses, saiu no portal português Sapo Viagens uma pequena reportagem sobre Tomar, na região Centro de Portugal. O texto faz referência à íntima ligação da cidade com a Ordem dos Templários. Mas destaca, também, que “nem só de Convento de Cristo vive Tomar”. Há, por exemplo, o centro histórico, cheio de boas atrações que acabam ofuscadas pelo brilho do convento. Reproduzo a reportagem a seguir, com fotos clicadas por mim em duas visitas que fiz a Tomar, em 2009 e 2014.

Convento de Cristo, herança deixada pelos templários no Centro de Portugal (2009)

“Não é por acaso que Tomar é conhecida como a cidade dos templários. A história de Tomar está intimamente ligada à Ordem dos Templários, que recebeu estas terras como recompensa pela ajuda na reconquista cristã do território. Hoje ainda é possível encontrar vários locais que são testemunhos da sua influência. A Mata dos Sete Montes, onde segundo a tradição decorriam rituais iniciáticos, e a Igreja de Santa Maria do Olival, que conserva os túmulos de diversos mestres da ordem, são alguns destes locais.”

Tomar vista de cima da muralha do castelo templário (2014)

“Foi D. Gualdim Pais, primeiro mestre da ordem em Portugal, que fundou o castelo e, no seu interior, o notável Convento de Cristo, ampliado e alterado ao longo dos séculos. É, actualmente, o ex-libris da cidade, classificado como património mundial pela UNESCO.

Visitar o Convento de Cristo é viajar por cinco séculos de história. As colunas toscanas e as influências mouras não apagam os toques de gótico e o estilo manuelino, inconfundível por génese. Os interiores em estilo barroco transformaram o convento num deslumbre para quem o visita.”

Centro histórico de Tomar (2009)

Praça da República e Igreja Matriz, dedicada a São João Batista (2009)

“Mas nem só do Convento de Cristo vive Tomar. A partir do convento, podemos descer a pé pela Mata dos Sete Montes até ao centro histórico. A meio do percurso, encontra a Ermida de Nossa Senhora da Conceição, uma pequena joia renascentista.

A seguir, perca-se pela área urbana mais antiga, organizada em cruz e orientada pelos pontos cardeais, com um convento em cada extremo. A Praça da República, com a igreja matriz dedicada a São João Baptista, marca o centro, tendo a oeste a colina do castelo e do Convento de Cristo. A sul, o Convento de São Francisco, onde se pode visitar actualmente o curioso Museu dos Fósforos e, a norte, o antigo Convento da Anunciada.”

Ponte Velha sobre o Rio Nabão (2009)

“A este, no local do actual Museu da Levada, vemos as antigas moagens e moinhos que trabalhavam com a força do Rio Nabão, que atravessa a cidade. Numa das margens, fica o Convento de Santa Iria e, nessa direcção, a Igreja de Santa Maria do Olival, de que já falámos. Toda a cidade se organizou a partir deste núcleo, também palco de um dos maiores eventos tradicionais, a Festa dos Tabuleiros.”

Moinhos, hoje convertidos no Museu da Levada (2009)

© Fotos: Eduardo Lima / Walkabout

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s