PRIMEIRA LINHA DE DEFESA

Cinco fotos do Forte de Santa Luzia, em Elvas, que permaneciam inéditas aqui no blog. E trechos de um texto excelente publicado no website Portugal de Lés a Lés.

O Forte de Santa Luzia visto do centro histórico e amuralhado de Elvas

O Forte de Santa Luzia é contemporâneo da fortaleza abaluartada da cidade e estava a ela ligado por um sistema de túneis que permitia a reposição de homens e a transmissão de ordens sob cerco. Edificado a sul de Elvas, o forte é a primeira linha de defesa. Em forma de estrela, tem muralhas largas em todos os seus panos, à excepção do que está virado para a cidade. Uma vez mais, sãos os militares quem melhor explica o porquê. “Se o forte fosse tomado, seria varrido pelo fogo das posições de Elvas”, afirma o sargento-chefe Camponês apontando do cimo da fortaleza abaluartada para o forte lá ao fundo. No interior deste forte, o guia José Manuel Martins conhece os cantos à casa e leva-nos por um túnel no interior da muralha, onde brincava quando era pequeno. O túnel, de 150 metros, leva direto até ao paiol do forte e é um dos muitos que existiam originalmente e o único que foi preservado.

Forte de Santa Luzia

Forte de Santa Luzia

Forte de Santa Luzia

Do Forte de Santa Luzia ao Forte da Graça, toda a praça forte de Elvas é um sistema defensivo redundante e o melhor exemplo em todo o mundo da arquitetura militar holandesa. As defesas da cidade nunca foram tomadas e, verdadeiramente, pouco foram postas à prova.  No Museu Militar de Elvas, que ocupa parte da muralha, o tenente-coronel Franco aponta para as muralhas e afirma: “a arquitetura da muralha permite que não haja nenhum ângulo morto. Todo o terreno pode ser varrido pelas bocas de fogo da defesa”. Esta é a principal caraterística das muralhas abaluartadas. Os atacantes serão sempre postos à prova pelo fogo de artilharia defensivo, onde quer que se encontrem. A outra o ângulo com que a muralha é construída e que atenua o impacto dos projéteis.

Elvas tem um perímetro fortificado de 8 a 10 quilómetros e durante séculos manteve-se dentro das muralhas. Apenas no século 20, mais concretamente em 1947, é construído o primeiro edifício fora do perímetro fortificado. Tratou-se da Pousada de Santa Luzia, também conhecida por de Elvas, que foi a primeira do país e onde nasceu o famoso bacalhau dourado que dá fama gastronômica à cidade. É o conjunto composto pelas muralhas da cidade e pelos fortes de Santa Luzia e da Graça que tornam a cidade a maior fortaleza abaluartada terrestre do mundo. O Forte de Santa Luzia é contemporâneo da muralha idealizada pelo engenheiro holandês Joannes Ciermens, conhecido em Portugal por Cosmander.

Forte de Santa Luzia

© Fotos: Eduardo Lima / Walkabout

Anúncios

2 pensamentos sobre “PRIMEIRA LINHA DE DEFESA

  1. Pingback: OUTROS TEMPOS DO FORTE DA GRAÇA | Portugal - Patrimônios da Humanidade

  2. Pingback: CIDADE-QUARTEL FRONTEIRIÇA | Portugal - Patrimônios da Humanidade

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s