RIBEIRA DO PORTO

Parte integrante do centro histórico, declarado patrimônio da humanidade em 1991, a Ribeira é um dos lugares mais disputados pelos turistas na cidade do Porto. Natural que seja assim, não é mesmo? Afinal, basta dar uma rápida olhada nas fotos deste post para entender os motivos. Não por acaso, ela aparece na lista de atrações turísticas mais populares da Europa, elaborada no ano passado pela revista Condé Nast Traveller, ao lado de ícones como o Coliseu (Roma), a Sagrada Família (Barcelona), o Palácio de Buckingham (Londres), a Acrópole (Atenas) e a Torre Eiffel (Paris).

A Ribeira vista da Ponte D. Luís, entre o Porto e Vila Nova de Gaia

A Ribeira vista da Ponte D. Luís, entre o Porto e Vila Nova de Gaia

Ninguém sabe exatamente quando a Ribeira começou a ser habitada, mas há indícios de que, no período da romanização, foram criadas instalações portuárias perto do local onde, mais tarde, seria erguida a Casa do Infante (cujos mosaicos romanos datam do século 4). “O século 13 representou um período de expansão em que o Porto cresceu, incluindo o sopé da escarpa da Pena Ventosa, próximo da margem ribeirinha”, registra a Wikipedia. “Desenvolveu-se casario, ruas, escadas e vielas, como, por exemplo, a Rua da Lada. Na margem direita do Rio da Vila, o povoado cresceu pela beira-rio de São Nicolau, pela Rua da Reboleira e pela Rua dos Banhos, acabando por atingir o arrabalde de Miragaia. Assim, foram surgindo dois pólos de povoamento – um na zona alta, no morro da Pena Ventosa, em redor da , e outro na zona baixa, na Ribeira, ao longo da margem do Douro – ligados por uma malha urbana que se foi adensando.”

No canto inferior direito, a Praça da Ribeira; no alto, acima dela, a Torre dos Clérigos; e no canto superior direito, a Igreja de Nossa Senhora da Vitória

No canto inferior direito, a Praça da Ribeira; no alto, acima dela, a Torre dos Clérigos

A Ribeira que hoje agrada tanto aos turistas, contudo, é bem mais recente. Ela começou a tomar forma em meados da década de 1970, quando foi colocado em prática um ambicioso plano de revitalização daquela parte da cidade. Sem esse projeto, é bem provável que o centro histórico do Porto jamais obtivesse da UNESCO a classificação de patrimônio mundial. Na esteira do primoroso trabalho de recuperação, a Ribeira foi atraindo bares, restaurantes e mais uma infinidade de empreendimentos que, agora, fazem dela um dos cartões-postais mais vivos de Portugal.

Cais da Ribeira

O Cais da Ribeira também visto da Ponte D. Luís

© Fotos: Eduardo Lima / Walkabout – Todos os direitos reservados

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s