VEREDA DO AREEIRO

Ainda que você não seja um grande fã de caminhadas, recomendo fortemente encarar a trilha que liga o Pico do Areeiro ao Pico Ruivo. O percurso exige algum condicionamento físico, é verdade, e as condições meteorológicas podem mudar em questão de minutos. Em compensação, alguns dos cenários mais espetaculares da Ilha da Madeira estão lá – e eles fazem valer cada passo, por mais que suas pernas reclamem.

O início da trilha, no Miradouro do Pico do Areeiro

O início da trilha, no Miradouro do Pico do Areeiro

No website do Turismo da Madeira, lê-se o seguinte sobre a vereda:

“Este trilho tem a particularidade de ligar dois dos picos mais altos da Ilha da Madeira, o Pico Ruivo (1.862 metros) e o Pico do Areeiro (1.816 metros), percorrendo parte da área do Maciço Montanhoso Central, área integrante da Rede Natura 2000. É um percurso de 7 quilômetros (duração de 3h30), com início no Miradouro do Pico do Areeiro e fim no Pico Ruivo.”

Rumo ao Pico das Torres, ainda no início do percurso

Rumo à Pedra Rija, ainda no início do percurso

“O percurso tem início junto à Pousada do Pico do Areeiro. A escassos metros, existe o Miradouro do Ninho da Manta, local onde supostamente a ave de rapina com o nome comum de Manta (Buteo buteo), nidificava. Daqui, é possível observar o Vale da Fajã da Nogueira, São Roque do Faial e grande parte da Cordilheira Montanhosa Central. Neste local, ocorre a nidificação da espécie endémica Freira da Madeira (Pterodroma madeira), considerada a ave marinha mais ameaçada da Europa.”

O caminho sobre a crista da montanha, entre os picos mais altos da Madeira

O caminho sobre a crista da montanha, entre os picos mais altos da Madeira

“Para atingir o Pico Ruivo, é preciso contornar o Pico das Torres por uma subida íngreme através de uma escadaria escavada na rocha e, posteriormente, uma descida. A parte mais difícil deste trilho é a subida final até à Casa de Abrigo do Pico Ruivo. Ao longo do percurso, são encontradas várias grutas escavadas nos tufos vulcânicos, onde o gado se refugiava e que serviam de abrigo aos pastores. São também observadas diversas espécies de aves, das quais se destacam as espécies e subespécies restritas à Macaronésia: o Canário (Serinus canaria), o Corre-caminhos (Anthus berthelotti madeirensis), a Andorinha-da-serra (Apus unicolor) e outras subespécies restritas ao Arquipélago da Madeira, como o Pardal-da-terra (Petronia petronia madeirensis), o Tentilhão (Fringilla coelebs madeirensis) e o Bisbis (Regulus ignicapillus madeirensis).”

O Pico das Torres, que precisa ser contornado para se chegar ao Pico Ruivo

O Pico das Torres, que precisa ser contornado para se chegar ao Pico Ruivo

© Fotos: Eduardo Lima / Walkabout – Todos os direitos reservados


PR1 – VEREDA DO AREEIRO

  • Distância: 7 km
  • Duração: 3h30
  • Dificuldade: média
  • Início: Miradouro do Pico do Areeiro
  • Fim: Pico Ruivo
  • Altitude máxima: 1.862 metros
  • Altitude mínima: 1.542 metros
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s